Búsqueda avanzada
O Imperador Juliano e sua concepção de Ideologia Imperial: Os conceitos de Realeza e Filantropia
Margarida Maria de Carvalho.
XIV Jornadas Interescuelas/Departamentos de Historia. Departamento de Historia de la Facultad de Filosofía y Letras. Universidad Nacional de Cuyo, Mendoza, 2013.
Dirección estable:
Resumen
Essa comunicação faz parte de um projeto maior denominado Juliano, Chefe de Guerra: Práticas Militares em um Exército Barbarizado durante as Guerras contra os Francos , Alamanos e Persas Tal pesquisa redundará numa Habilitation a Diriger de Recherches supervisionada pelo Prof. Dr. Jean-Michel Carrié da École de Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, França. De 355 a 360 d.C. e de 361 a 363 d.C , o Imperador Juliano foi César do Imperador Constâncio e Imperador do Império Romano, respectivamente. Dentre suas atividades destacam-se as do campo administrativo e militar. Tal personagem , durante décadas de estudos historiográficos, ficou muito conhecido como o Imperador que se tornou apóstata , cognome que aparece na oração 4, denominada Contra Juliano, de autoria de Gregório de Nazianzo. Nesse sentido, escapa -se da esfera assinalada e busca-se o sentido de ideologia imperial daquele Imperador , pois acredita-se que essa seria a base de compreensão para seus pensamentos e análise de todas as suas atividades exercidas durante os seus dois cargos. Assim, a compreensão de sua concepção de Ideologia Imperial envolve os conceitos de Realeza e Filantropia, preceitos fundamentais para a análise de suas práticas administrativas e militares , ainda pouco exploradas pela historiografia das últimas décadas do século passado e no período presente. O conceito de Realeza de Juliano se diferencia dos padrões conceituais desse termos em sua época. Membro da dinastia constantiniana, porém, não cristão, tal personagem histórico elabora sua concepção de governante se baseando em seus fundamentos neoplatônicos : por exemplo o governante não seria a encarnação do Estado ou de Deus na Terra como delineavam os imperadores cristãos. a partir dos conceitos de Realeza de Eusébio de Cesareia e Temístio ,para não citar outros autores a favor da centralização do poder na imagem do Basileus. Associada à sua ideia de Realeza, está também a sua concepção de Filantropia, conceito caro ao particularismo neoplatônico de Juliano. Doravante a junção desses pensamentos, é que lançamos a hipótese de que tais percepções foram aplicadas em suas atividades administrativas e militares, ou seja, tais atividades estavam imbuídas e foram inspiradas em seus ideais culturais. Dessa forma, temos como objetivo , nessa comunicação, esclarecer o alcance de tais conceito , sobretudo, em suas a ações bélicas nas guerras contra os Francos e Alamanos e contra os Persas.
Texto completo
Creative Commons
Esta obra está bajo una licencia de Creative Commons.
Para ver una copia de esta licencia, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.es.